Crítica: O Artista (2011)

quinta-feira, 4 de outubro de 2012



Depois da crescente expectativa para ver O Artista, finalmente veio o choque: eu estava prestes a ver um filme em preto-e-branco, e ainda por cima mudo! Quer dizer, a menos que você esteja acostumado a ver filmes muito antigos ou tenha cem anos de idade, a perspectiva de ver um filme assim nos dias de hoje, se não causa um pouco de medo, é no mínimo curiosa. Foi com expectativa e ao mesmo tempo dúvida que comecei a ver O Artista, e é com alívio e admiração que posso dizer que o filme é ótimo, e valeu à pena.


Ambientado no final da década de vinte, o filme retrata a transição do cinema mudo para o ‘falado’, contando a história de George Valentin (Jean Dujardin), aclamado ator do cinema mudo que, de uma hora para outra, é praticamente descartado após a ascensão da fala no cinema, já que ele próprio julga o cinema falado como algo absurdo, e os produtores e diretores estão à procura de rostos novos para os chamados talkies. Enquanto acompanhamos o infeliz declínio (tanto profissional quanto financeiro e social) de George Valentin, que se recusa a adaptar-se às novas tecnologias, vemos também a ascensão da meiga Peppy Miller (Bérénice Bejo), uma jovem aspirante à atriz que ganha destaque ao ser vista junto de George Valentin, e fica cada vez mais reconhecida à medida que faz mais filmes e aparições, tornando-se uma grande atriz dos novos filmes sonorizados. Dois artistas vivendo a mesma época, mas em realidades diferentes.


Esse foi o primeiro filme mudo que eu vi, e essa experiência não foi cansativa como infelizmente muitas pessoas esperam. O Artista é um filme delicioso de se ver, contando a história de alguém inadaptado mostrando também a melancolia do personagem, mas recheado de cenas cômicas e momentos inteligentes. É muito interessante a cena do pesadelo do personagem principal, e há vários detalhes curiosos que podemos prestar atenção, como o fato de George Valentin protagonizar um filme no papel de um espião que, mesmo sendo torturado pelos inimigos, se recusa a falar. Como o filme não tem falas, a gente acaba se focando na ótima atuação dos atores, que nos prendem ao filme e arrancam vários sorrisos dos nossos rostos. Ah, um personagem por qual é impossível não se encantar é com o cachorrinho de George Valentin, que inclusive tenta salvar o dono em determinada cena. Adorável!

O Artista é um filme saudoso e ao mesmo tempo divertido, que consegue retratar o brilho de uma época já esquecida sem deixar de cumprir seu papel no que se refere ao entretenimento. É um filme que faz jus ao Oscar e a todas as críticas positivas que recebeu, é capaz de cativar um público mais popular e está aí para mostrar que não é necessário ter diversos efeitos especiais e até mesmo falas para se contar uma boa história.

Postagens relacionadas

8 comentários

  1. Como assim o primeiro? e os do Charlie Chaplin? O vagamundo? Tempos modernos? nunca viu? O.o
    o artista parece ótimo xD vou dar uma olhada

    ResponderExcluir
  2. Eu assisti a esse filme faz um tempinho e confesso que comecei a ver com preconceito. Mudo? Preto e branco? Putz!

    Mas daí tá, dei uma chance e não me arrependi nem um pouco. O filme é maravilhoso!

    ResponderExcluir
  3. Alguém tem que te contratar pra escrever resenhas, sério!
    Mais uma vez, vou assistir ao filme e depois volto pra contar o que achei! Tô enrolando com ele há um tempão, mas nunca antes uma opinião foi tão convincente! E nem foi tentando me convencer! :)

    ;*

    ResponderExcluir
  4. Uau, você foi no show do Paul! *-*
    Ah, na hora que tocou Still loving you foi muito lindo, também me arrepio ouvindo essa música.
    Quero muito assistir O artista. Já assisti a alguns filmes em preto e branco, como Tempos Modernos e outros dos quais não me recordo o nome. Meu pai gosta muito de filmes antigos e quando eu era criança ficava assistindo com ele. O bom de filmes assim é que exigem mais dos artistas, focamos mais nas suas expressões e no que querem transmitir.

    ResponderExcluir
  5. Eu sempre quis assstir filmes antigos/ preto e branco, mas aqui sempre foi dificil pra encontrar, o unico que vi foi Bonequinha d eluxo.

    ResponderExcluir
  6. eu me amarro em filmes assim ♥ eu já vi alguns do Charlie Claplin e realmente é muito bom e não se cansa de vê, esse com certeza deve ser um máximo, qualquer dia eu paro pra assistir ^^
    bjinhos
    conversando-com-a-lua. blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Ah, assisti esse no cinema! Escolhi pelo título e não podia ter feito escolha mais acertada! Adoro a trama e o fato de ser preto e branco e mudo. Acho esse filme uma preciosidade. Quando tiver tempo, dá uma olhada em Em busca do Ouro, do Chaplin. É maravilhoso! ♥

    ResponderExcluir
  8. Não gosto muito do cinema mudo, não vejo tanta genialidade assim em Chaplin, mas sei reconhecer a importancia dos seus filmes.

    Filme fora de Hollywood ganhar como melhor filme é muito complicado, acho que por ser mudo facilitou a coisa[americano não vê filme com legenda]

    Eu adoro filme em preto e branco e quero muito ver O Artista, vou esperar chegar na TV a cabo.

    Sobre o comentário: Temos um bom gosto musical, dei uma olhada na sua playlist...rsrsrs

    Bjos

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun