Crítica: Noé

segunda-feira, 14 de abril de 2014



Depois de um longo tempo sem ir ao cinema, finalmente fui para a estreia de Noé, uma superprodução que vem sendo classificada como ‘épico bíblico’. Assim como a história da humanidade, o filme tem altos e baixos, sendo monótono e cansativo, mas trazendo algumas reflexões.



O filme constitui uma interpretação da história bíblica de Noé, que recebe a missão divina de construir uma enorme arca para salvar os animais do grande dilúvio a ser provocado por Deus. No filme, a arca é apenas a premissa dos diversos dilemas que Noé (Russel Crowe) irá interpretar, porque sendo um castigo divino pelas atrocidades cometidas, Noé acha que nenhum ser humano deverá ser salvo, colocando um fim na humanidade.



Em Noé, acompanhamos a batalha de sobrevivência entre humanos que queriam entrar na arca e foram impedidos por gollems de pedra (e pensar que tudo isso aconteceu de verdade!), a recusa de Noé em salvar os remanescentes e a dúvida se a própria família deveria sobreviver. Ficou estabelecido que seu filho Jafé seria o último dos homens, mas quando Hermione (Emma Watson) engravida miraculosamente de seu filho Sem, Noé fica determinado a matar o bebê caso seja uma menina (sim, porque as mulheres só sobrevivem para reprodução). Além dos conflitos de Noé, encontramos Cam (Logan Lerman) conspirando com o refugiado Tubalcain (Ray Winstone) para matar o pai, Namé (Jennifer Connely) irritada por seu esposo desejar a morte dos filhos e Metusalém (Anthony Hopksin) derrotando todos os humanos na primeira briga com os gollems e procurando frutas vermelhas.



Ainda que esteja irritando muitos religiosos por ser bastante diferente da história contada na Bíblia, Noé continua sendo um filme bíblico, o que significa que apenas dois motivos me levaram ao cinema para vê-lo: elenco e efeitos especiais. Em geral, as interpretações estão indiscutivelmente boas e temos que elogiar o filme pelos efeitos: todos os animais foram feitos por computação gráfica, e ver a água tomar conta do mundo é bem impactante. A fotografia é muito boa, a trilha sonora bastante adequada e o filme, no geral, é bastante bem feito. A única coisa que pecou foram os Guardiões, referidos aqui como ‘gollems de pedra’



Noé trata de temas como pecado, castigo, perdão, amor e tenta demonstrar a visão humana sobre este conto bíblico, como a revolta de Cam por Noé não ter salvo seres humanos, a perturbação de Ila ao saber que se tivesse uma filha, ela seria morta e o fanatismo religioso do personagem bíblico. Na verdade, se fizermos um comparativo com a sociedade atual, a inércia diante os problemas do mundo, o filme é bem interessante - mas nada que valha a pena perder 128 minutos, ou seja, esse filme não agradará a todos, e louvá-lo como estão louvando é quase um pecado.

Postagens relacionadas

9 comentários

  1. Foi bem o que minha mãe disse, me fazendo desistir de ver no iMax (eu ia ver no IMAX, velho, só pela Hermione, hahahaha, a mãe disse q só ela salva o filme, então vou no Park Tupã depois dessa xD)

    ResponderExcluir
  2. Concordo que o filme seja horrível. Depois os produtores diziam "a intenção não era fazer um filme bíblico", então, se não era, que não decepcionasse dando essa expectativa.
    Odiei as indiretas e a representação da história original dessa maneira. Acho interessante a ideia de incrementar com criatividade coisas pouco exploradas na História original, mas avacalhar assim já é demais.

    Bom texto, Vic. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Geralmente não gosto de "filmes bíblicos", mas admito que este filme parece ser um pouco interessante, mas se não fosse pela Emma, eu não veria. 8D E não gasto um centavo para ver esse filme no cinema, prefiro esperar para que possa ver online no conforto de minha casa. u-u/

    Gostei muito da versão "original", um filme super antigo. Acho que o que estão fazendo hoje em dia, é encher linguiça com efeitos especiais e avacalhações. ç.ç' triste.

    ResponderExcluir
  4. Ah adorei o post, to querendo ver esse filme e vou ver se vou com a minha amiga nesse sabado! Esse post me deu mais vontade de assistir o filme.

    Ponte Para Paris

    ResponderExcluir
  5. Adorei a sua visão sobre o filme, vou assistir pra tirar as minhas conclusões
    Beijos
    http://segredosdacahlima.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Ainda não assisti, confesso que nem a sinopse eu não tinha lido ainda kk Mas as pessoas falavam tão bem do filme que fiquei até com vontade de assistir, mas lendo seu post, ele não me pareceu ser tão bom assim. Adorei o post, ficou ótimo!
    www.espacegirl.com

    ResponderExcluir
  7. Rapaz, sou cristã mas desde o início eu sabia que teria que encarar esse filme mais pelo lado técnico (que sequer entendo muito) do que pelo lado propriamente dito. Não adianta. Sempre mudam bastante. Mas enfim, ainda não assisti e imagino que os efeitos devem ser realmente muito bons!

    ResponderExcluir
  8. Fiquei curiosa para assistir, mas o que me desanima um pouco são as toneladas de efeitos especiais...

    ResponderExcluir
  9. A gente sempre espera que um filme "biblico" produzido por alguém que não é cristão vai passar longe de ser fiel ao que está escrito no livro. Mas pelo que as pessoas tem dito sobre o filme a situação é pior do que eu imaginava. Por isso eu, que antes queria ver no cinema, resolvi não gastar meu precioso dimdim pra sair do cinema morrendo de raiva! kkkk
    Quando eu achar ele online eu mato a minha curiosidade!
    Beijos http://www.biancagsnunes.com/

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun