Jack White em Porto Alegre

quarta-feira, 25 de março de 2015



Já faz algum tempo que considero Jack White um dos melhores músicos da atualidade. Com um nome simples e poderoso, o artista que conquistou o mundo com sua banda vermelha, preta e branca, presenteia Porto Alegre com um show histórico, marcado pelos principais sucessos de sua carreira, mas com inovações que fizeram cada performance única e impactante.


Fotos: Site Oficial do Jack White


O show em Porto Alegre aconteceu no Pepsi on Stage, que sinceramente, não tem a acústica adequada para aguentar a natureza experimental do trabalho de Jack White. Obviamente, a estrutura do local não foi suficiente para impedir que o público de 4.500 pessoas ficasse totalmente imersos na viagem que o cantor fez pelo rock de garagem até o folk, indo do barulho fascinante de White Stripes até as refinadas músicas de seu novo álbum, Lazaretto. Detalhe: imersos de corpo e alma. Pouco antes do início do show, um roadie muito elegante pediu encarecidamente que não utilizássemos nossos celulares e câmeras para fotografar (e consequentemente ver) o show, porque não fazia sentido apreciá-lo em uma tela minúscula, mas sim, vivenciar o momento de corpo e alma.



Quinze minutos depois do previsto, Jack White aparece no palco iniciando com uma ótima performance de Dead Leaves and the Dirty Ground, do terceiro álbum de The White Stripes. Na sequência, duas músicas do aclamado álbum Lazaretto (High Ball Stepper e Lazaretto) para depois voltar ao White Stripes com a clássica Hotel Yorba e tocar mais duas músicas da carreira solo. Seu repertório não seguiu uma ordem ou lógica, o que nos fez aproveitar cada momento e soltar uma exclamação de surpresa quando uma das minhas músicas preferidas (I'm Slowly Turning Into You) foi incluída no show. Outra coisa fantástica foram as inovações que sofreram cada música, com arranjos diferentes e muitas vezes improvisados.



Uma das maiores características do músico é seu ar descompromissado e acho que isso se refletiu muito no show, onde ele tocava o que queria de acordo com a atmosfera. Aliás, descompromissado nada: seu grande compromisso é com sua arte e com o Rock n' Roll. É um tanto difícil explicar como a simplicidade da sua música resulta em solos tão elaborados e uma música tão rica, mas quem esteve presente pode vivenciar todo o profissionalismo envolto naquela desordem programada, sem pausas entre uma música e outra. Falando em pausa, depois do Bis, do qual Jack White volta segurando uma bandeira do Brasil, veio uma das grandes partes do show, em que o público estava mais animado e participou da icônica Seven Nation Army.



Ouvir Hello Operator, Astro, Sugar Never Tasted So Good e Little Bird, de White Stripes, foi tão emocionante quanto ouvir Steady As She Goes, Top Yourself, Broken Boy Soldier ou Love Interruption e Would You Fight for My Love?, uma das melhores músicas do show. Com energia e intensidade, Jack White nos deu um show completo, de um rock antigo, mas que se perpetua nos grandes nomes da música atual.

Postagens relacionadas

10 comentários

  1. Você acredita que eu nem me toquei que ele estava por essas bandas? Na segunda eu estava ouvindo um dos discos ao vivo dele.

    Gosto bastante do som, mas nem tanto do disco novo.

    Deve ter sido um show bem eletrico, você ficou perto?

    Bjos

    ResponderExcluir
  2. Meu irmão foi num show dele e pirou. O cara é bom mesmo e foda** né? uahuahaua Muito bacana =D

    ResponderExcluir
  3. Ah, que legal! Não conheço o trabalho solo dele, mas gosto muito do White Stripes. Que bom que você aproveitou o show!
    Beijos

    Bluebell Bee

    ResponderExcluir
  4. " Aliás, descompromissado nada: seu grande compromisso é com sua arte e com o Rock n' Roll." Amei essa frase. E as fotos que você usou estão lindas. <3
    Li sua resenha de "A Teoria de tudo". Ficou ótima. E concordo com você: podiam ter se focado mais na genialidade dele, em seu trabalho. Mas acredito que é a história se baseia mas no relacionamento do casal e na doença porque é adaptado do livro da Jane, do ponto de vista dela. =)
    Vou dar uma olhada nas suas outras resenhas. Você escreve muito bem! ^.^
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca ouvi as músicas solos dele!
    Mas eu adorava ele nos White Stripes!

    Bjs
    www.garotadebotas.com

    ResponderExcluir
  6. Uuuuuu.. vou te dizer que esse é um show que eu iria!!

    ResponderExcluir
  7. Só olhando as fotos já vejo como deve ser a emoção de estar ali. Muita vibração legal :)
    te indiquei em uma Tag lá no blog, se ainda não tiver feito aquela, espero que goste e faça. Abraços,

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  8. Eu amoo esse lindo! *_*
    Guriaaa, você é muito caprichosa e seu blog está lindo...já estou te seguindo.
    Dá um pulo lá no meu cantinho, tá? ;)
    Beijooo!
    Instagram: tamiya343 e Twitter: @cat_343
    CLIQUE AQUI E VISITE O MAKE DA MOTOCICLISTA

    ResponderExcluir
  9. Pra ser sincera, eu nunca ouvi falar dele, mas gostei tanto do jeito que você descreveu o show e ele que vou escutar as músicas. Gostei bastante da proposta de não usar o telefone nem cameras, as vezes a gente fica tanto nesse mundo virtual que esquece de aproveitar as coisas de verdade e realmente. Enfim, gostei mesmo do seu relato sobre o show, deve ter sido incrível e sem palavras. Beijoss

    ResponderExcluir
  10. Faz um tempinho que não vou a shows grandes bons mas Jack white é um cara genial.

    | A Bela, não a Fera |
    | FB Page A Bela, não a Fera|

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun