Resenha: Admirável Mundo Novo

segunda-feira, 15 de junho de 2015



Enquanto as obras de George Orwell se preocupam em mostrar o totalitarismo advindo de um estado repressor, o escritor Aldous Huxley nos apresenta uma sociedade em que o controle estatal é mantido por meio de condicionamento e manipulação, garantindo a 'felicidade' e o bem estar social. Essa sociedade, em que todos são obrigados a ser felizes, é Admirável Mundo Novo, um dos meus livros preferidos e leitura obrigatória a todos que tem uma mente contestadora e querem entender melhor a sociedade.



O livro começa nos explicando como funciona a concepção dos humanos: eles não nascem biologicamente, mas são criados geneticamente de forma que cada um receba os aspectos necessários de acordo com a sua casta e função social. Há cinco tipos de castas e cada pessoa foi condicionada físico e psicologicamente para gostar da sua atividade e não almejar mais que sua posição. Nesse contexto, em que todos são “felizes”, vive o alfa Bernard Marx, um dos poucos que se sentem incomodados com o mundo em que vive, sendo alvo de comentários maldosos dos outros por nutrir um gosto não natural por solidão e por questionar a superficialidade das relações sociais, não estando de acordo com a promiscuidade incentivada. Não há religião, não há família, não há amor: “mãe” é praticamente um palavrão e é absurdo uma pessoa sair com um único parceiro. Tudo gira em torno do trabalho, do consumo e do prazer. Ao se apaixonar pela Lenina, os personagens passam a desafiar o sistema e em uma viagem, encontram uma civilização "selvagem" que não é organizada de acordo com o admirável mundo novo, decidindo por trazer dois habitantes, Linda e John, à sociedade civilizada.

“Agora o mundo é estável. O povo é feliz; todos têm o que desejam e nunca querem o que não podem ter. Sentem-se bem, estão em segurança; nunca ficam doentes; não tem medo da morte; vivem na perene ignorância da paixão e da velhice; não se afligem com pais e mães; não tem esposas, filhos, nem amantes a que se apeguem com emoções violentas. E se alguma coisa não estiver bem, há o soma”.

Admirável Mundo Novo retrata uma civilização cujo progresso cientifico resultou na desumanização e absoluta dissolução de valores morais, em prol de uma sociedade de consumo em que todos são felizes. Assim como no nosso mundo real, as pessoas são organizadas de acordo com suas funções e há uma enorme desigualdade social, mas como no livro esta é condicionada, todos são felizes na ignorância de não contestarem seus papéis. A explicação para este sistema ser mantido e não investirem em uma produção mecanizada de alimentos, por exemplo, também é bastante real: um executivo não se sentiria confortável desempenhando uma função que não julgue a sua altura. Naquela sociedade perturbadora que é o Admirável Mundo Novo, todas as relações sociais consistem em associações por interesse e todas as esferas estão submetidas à economia: as artes são comercializadas e a própria política é refém dos interesses econômicos. Ford é considerado um Deus! Qual sociedade é essa sobre a qual estou escrevendo agora, afinal?



O livro vai muito além das críticas dirigidas à sociedade atual, que também é mantida com a manipulação das massas por meio da televisão e valorização de uma cultura consumista e hedonista, em que cada vez mais as relações sociais e nosso papel na sociedade são desvalorizadas em prol da aparência. Na verdade, o livro faz um questionamento muito mais profundo: qual o preço da felicidade. A felicidade é mais importante que nossa liberdade? Vale a pena abrir mão da nossa autodeterminação em busca de uma sociedade 'perfeita'? Admirável Mundo Novo retrata sim uma sociedade que funciona perfeitamente e todos são felizes, mas ficamos desconfortáveis na medida em que a liberdade sexual e os artifícios que mantêm as pessoas satisfeitas são graças ao forte controle estatal, que aboliu valores desnecessários como “família” e artes literárias visando melhorar a “raça humana” e o sistema de produção, que apagou totalmente o passado e a história em busca do moderno. Em Admirável Mundo Novo, as pessoas são atraídas pela promessa de felicidade e acabam por viver em uma falsa liberdade, onde não se contesta, não se reflete, apenas se preza a própria satisfação, lucro e prazer.

Admirável Mundo Novo é um livro incrivelmente perturbador, mas o pior de tudo é reconhecer que, em certa medida, também é retratado nosso mundo real. É a típica política de pão e circo, datada desde a Roma Antiga para alienar a grande massa dos problemas sociais. No mundo real, “trabalhamos em empregos que não gostamos para comprar um monte de coisas que não precisamos”. Em Admirável Mundo Novo, também é assim, a diferença é que nesta ficção, as pessoas são condicionadas pelo estado a aceitar aquela situação.

“E esse é o segredo da felicidade e da virtude: amar o que se é obrigado a fazer. Tal é a finalidade de todo o condicionamento: fazer as pessoas amarem o destino social a que não podem escapar.”

Postagens relacionadas

5 comentários

  1. Ai que maravilhoso. Fiquei muito curiosa pra fazer a leitura desse livro, quero ♥

    http://www.leitecombiscoitos.com/

    ResponderExcluir
  2. Esse foi sem dúvidas um dos melhores livro que li no ano passado e na vida! Além de ser super instigante, conforme vamos descobrindo como aquela sociedade funciona, realmente as semelhanças com nosso mundo atual é o que mais assusta! O discurso sobre a liberdade que John faz no final é maravilhoso! É um livro pra ser lido e relido, sem dúvidas. Coloca a gente pra pensar sobre como gerimos e quem gere nossa vida...
    Adorei a resenha!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Preciso tomar vergonha na cara e ler esse livro de uma vez.

    The Neighbourhoods
    http://theneighbourhoods.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Nossa, esse livro deve ser muito bom. Fazia tempo que não ouvia falar dele, e é praticamente um clássico. Com sua resenha me deu ainda mais vontade de ler :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  5. Vick!
    Ontem mesmo li uma resenha super positiva desse livro
    Eu já tinha ouvido falar nele, mas não sabia direito do que se tratava
    Gosto muito de livros nesse estilo, que criticam a sociedade como um todo e nos fazem refletir acerca de nossas próprias atitudes e o lugar onde vivemos
    Já entrou pra lista de desejados ontem mesmo, agora só quero ainda mais!

    Beijos,
    Duas Leitoras

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun