Book Club: Laranja Mecânica

sexta-feira, 29 de abril de 2016



Depois de várias histórias de superação e dilemas inerentes à adolescência, o livro escolhido pelo Book Club é uma obra polêmica, chocante e repleta de críticas sociais: Laranja Mecânica, de Anthony Burgess.



Laranja Mecânica é narrado por Alex DeLarge, um adolescente com excelente gosto por música clássica que, junto dos membros de sua gangue (drugues), tem como passatempo matar, estuprar e praticar todos os atos imagináveis de violência. Quando Alex é preso e dois anos de prisão se mostram ineficazes, Alex é submetido a uma nova técnica de reabilitação: o Tratamento de Ludovico, uma terapia que consiste no uso de drogas que causem mal-estar durante a transmissão de vídeos violentos e que, por meio da associação, faz o personagem ter aversão à violência, estando condicionado a fazer o bem. Como resultado, Alex é 'curado' da vontade de cometer crimes, mas também fica impossibilitado de escutar as músicas que gosta.



A primeira parte do livro é voltada para a ultraviolência cometida por Alex, com descrições que só não são mais pesadas porque são utilizadas diversas gírias próprias do dialeto falado pelos adolescentes (nadsat), responsáveis pela criminalidade na sociedade futurista da qual Alex faz parte. Se nesse ponto é criticado a inércia do Estado em impedir o cometimento de crime, na segunda parte refletimos sobre a ineficácia da prisão como meio de reabilitação social e na violência cometida contra o próprio Alex, através do Tratamento de Ludovico. Retira-se do personagem o livre arbítrio e a liberdade de escolha, nos fazendo questionar a intervenção estatal e conceitos como ética, bem e a importância da vontade. Conforme o capelão da prisão, a bondade é uma coisa que se escolhe. Quando alguém não pode escolher, deixa de ser humano.

Se a humanidade reside na possibilidade de efetuar escolhas éticas, e o condicionamento faz do personagem uma "laranja mecânica", poderíamos refletir sobre como também somos condicionados a fazer o bem e abdicamos de liberdades em troca de segurança, mas o diferencial do livro é a agressividade desse condicionamento, que tem por objetivo tornar Alex não exatamente bom, mas controlado. É nesse sentido que o capítulo final (não presente no filme) se coloca ao apresentar a maturidade do personagem, se destoando do restante da obra.. De qualquer forma, no decorrer da leitura notamos que a violência por violência é reprimida, mas a violência 'justificada' é aceita por aquela sociedade (violência policial, vingança) e o próprio Alex é utilizado por motivos políticos, sem haver preocupação em curá-lo quanto a perda da sua humanidade.



E há humanidade em escolher matar, estuprar, se divertir com atos de ultraviolência? É melhor um indivíduo escolher ser mal, ou ser compelido à fazer o bem, em nome do bem-estar social? Até que ponto devemos abdicar da liberdade de escolha? Apesar de Laranja Mecânica também apresentar o ser-humano como mal, a violência não é apresentada gratuitamente e nem é o tema principal do livro: o grande objetivo é a discussão sobre o livre-arbítrio. Com tantas questões filosóficas, só podemos concluir que Laranja Mecânica é um livro verdadeiramente horrorshow, indispensável para estudar o papel do direito e da psicologia no ser humano.


Ronnie | Wanila | Cecilia | Isadora

Curta nossa página!
Junte-se ao Book Club no Facebook e participe do projeto!

Postagens relacionadas

3 comentários

  1. Eu comprei esta edição especial e fiquei feliz em saber que tem todas as partes.
    Porque na edição que tenho em casa, falta uma.. Acho que foi censurada sei lá..
    Eu tive dificuldades para ler a obra, para me adaptar com a linguagem, mas depois que consegui pegar o jeito a leitura ficou mais interessante rs

    ResponderExcluir
  2. Olá! Aqui é o Kuroi, mensageiro do Onigiri quase Prédio. Vim avisar que tem presentinho pra você no Onigiri!
    Beijos <3
    http://onigiri-quase-predio.com

    ResponderExcluir
  3. Eu tinha um professor que eu admirava, e ele uma vez falou que o filme preferido dele era Laranja Mecânica.
    E lá fui eu assistir.. Não consegui sair do início, achei bem ruim.. Agora acho que deveria ter assistido um pouco mais.
    Beijos

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun