Crítica: Star Trek - Sem Fronteiras

quinta-feira, 29 de setembro de 2016



No auge dos seus cinquenta anos, Star Trek é uma franquia que reúne milhares de fãs e originou seis séries de televisão e mais de dez filmes. A partir de 2009, fomos brindados com uma nova trilogia: Star Trek, Star Trek - Além da Escuridão e Star Trek - Sem Fronteiras, filme mais recente que estreou nos cinemas em setembro de 2016.



Star Trek - Sem Fronteiras começa mostrando um entediado Capitão Kirk (Chris Pine) no terceiro ano de uma demorada missão diplomática para a Federação, pensando até mesmo em abdicar do seu posto na Enterprise para dar um novo rumo a sua vida. Quando a tripulação faz uma pequena pausa numa belíssima estação espacial, uma misteriosa alienígena pede socorro para resgatar sua nave de uma nebulosa - e assim, Capitão Kirk e os integrantes da Enterprise partem novamente para um novo planeta. Por uma série de infortúnios, a tripulação da Enterprise fica dividida em um planeta que se mostra extremamente hostil, com um vilão responsável por aprisionar várias raças de alienígenas e que tem um grande rancor pela Federação.



O roteiro escrito por Simon Pegg (também ator que interpreta o engenheiro Scotty) é extremamente simples, possibilitando a inserção de muitas cenas de ação sem precisar explorar minuciosamente cada personagem, até mesmo porque suas histórias individuais já são conhecidas dos outros filmes desta trilogia. Ainda assim, somos apresentados a alguns personagens novos (como a alienígena Jaylah, interpretada por Sofia Boutella) e diálogos muito bons entre os diferentes grupos que se formam, com destaque para o sarcasmo de Scotty e a relação entre Magro (Karl Urban) e Spock (Zachary Quinto), responsáveis pelas melhores cenas do filme. Quem fica de fora é Uhura (Zoe Saldana), que tem pouco destaque e pouco se relaciona com os demais tripulantes da Enterprise.



Em Star Trek - Sem Fronteiras, o espectador fica diante dos melhores efeitos especiais de 2016. Batalhas especiais extremamente dinâmicas, cenários espetaculares - com destaque para a Estação Espacial -, até os créditos finais ficam belíssimos na tela do IMAX. Falando em dinamismo, ao mesmo tempo que Star Trek apresenta um roteiro frenético e direto, sem espaço para cenas desnecessárias, algumas cenas são exageradamente longas e o filme tem alguns problemas de ritmo, deixando o telespectador perdido até se acostumar com a história. Além do roteiro simplificado, Star Trek não acerta no vilão: interpretado por um Idris Elba inexplicavelmente coberto de maquiagem, o vilão do novo filme é extremamente fraco e sua motivação extremamente clichê, o que prejudica bastante a história como um todo.



Se fosse qualquer filme desconhecido, com personagens que não estivéssemos familiarizados, a impressão final poderia ser ruim, mas trata-se de Star Trek, uma franquia consagrada há mais de cinquenta anos que já conquistou um público ao propor a exploração de novos mundos, ao mostrar personagens queridos em suas aventuras na Enterprise. Dito isso, só podemos concluir que Star Trek - Sem Fronteiras apresenta uma empolgante aventura da carismática tripulação, com excelentes efeitos especiais que realmente transportam o espectador para o grande universo, mostrando que Star Trek não tem fronteiras.

Postagens relacionadas

9 comentários

  1. Eu ainda não vi esse filme mas tenho muita curiosidade :)
    Beijos
    BlogCarolNM
    FanPage

    ResponderExcluir
  2. Nunca assisti nenhum, acredita?! Acho que é normal essa decepçãozinha porque a gente acaba indo ver esse remakes/continuações com muita expectativa, o que acaba prejudicando um pouco né?! :(
    Abraço! :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bah, pior que eu vejo os fãs se dividindo entre ódio e amor quanto a essa nova trilogia. Mas assim, eu nunca acompanhei o seriado ou os filmes antigos e adorei essa trilogia, então acho super válido reviver a série!

      Excluir
  3. Eu assisti apenas um filme, mas nem lembro qual era.
    Mas não tenho muito interesse em assistir esse filmes.
    Beijos, Aline
    Verso Aleatório

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena =( Mas gosto é gosto, também acho que esse filme é para um público bem específico, rs.

      Excluir
  4. Eu ainda não assisti acredita?
    E estou super chateada por isso hahaha
    terei que baixar torrent ´mesmo =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué mas acho que tá passando ainda nos cinemas de São Paulo! Estreou primeiro de setembro e aí em SP tem de tudo <3

      Excluir
  5. Esse filme tá incrível!


    www.generoproibido.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun