Crítica: O Espetacular Homem Aranha

quarta-feira, 11 de julho de 2012



Fica um tanto difícil avaliar o O Espetacular Homem-Aranha quando ainda temos na cabeça a trilogia antiga, com os atores antigos, personagens antigos e um Peter Parker que não seja cool e revoltadinho como nesse filme novo. Acontece que essa refilmagem prometia ser mais fiel à história e focar-se na origem do super-herói, falando dos pais(que tenho 80% de certeza de que a grande maioria nunca se perguntou o que aconteceu com eles) e corrigindo os erros da ótima trilogia de Sam Raimi, cujo último filme estreou em longinquos cinco anos atrás.



O filme começa mostrando um pequeno Peter Parker (Andrew Garfield) separando-se dos seus pais e ficando aos cuidados do Tio Ben (que não diz que com grandes poderes vem grandes responsabilidades) e de Tia May (que não teve grande função no filme). É esse Peter Parker que cresce energético, astucioso (tentando enfrentar os valentões da escola) e angustiado em relação ao destino dos pais, aparentemente deslocado em relação a tudo que o cerca até descobrir que seu pai trabalhava como um cientista ao lado de Curt Connors (Rhys Ifans) na Oscorp, ir até a empresa e acidentalmente ser picado por uma aranha geneticamente modificada. Se surge um novo super-herói? Ainda não. O filme segue mostrando o rapaz conhecendo seus poderes, a morte do Tio Ben, Peter criando sua roupa, caçando o assassino e daí sim, depois do surgimento do vilão Lagarto, um verdadeiro Homem-Aranha preocupado com os outros e tentando salvar a cidade.



As cenas de ação são ótimas e eu adorei os efeitos especiais do filme. São muito bem feitas as cenas dele "sobrevoando" (com suas teias, claro) os prédios de Nova York, e essa foi uma das poucas vezes em que valeu pagar mais caro para assistir o filme em 3D. Contudo, talvez por não ter lido os quadrinhos, ou por ser grande fã da antiga trilogia, eu não achei esse filme tão profundo quanto o outro, apesar da premissa de humanizar mais o herói. Em relação ao romance no filme, achei que foi ótima a idéia de substituir Mary Jane por Gwen Stacy (primeira paixão de Parker nas HQ), e Emma Stone foi adorável no papel, mas era tudo previsível demais e nem mesmo o beijo conseguiu ser tão marcante quanto o clássico do primeiro filme, de forma que eu simplesmente não consegui torcer pelo casal. Falando em Gwen Stacy, é uma coincidência enorme que além dela ser a namorada de Peter Parker, ela seja a mega estagiária da Oscorp (com dezessete anos e permissão para entrar em QUALQUER aposento da empresa) e aprendiz do cientista que mais tarde tornará-se o vilão. Ah, sim, e filha do policial que está contra o Homem-Aranha. São muitas coincidências convenientes, e o pior é que a história precisa delas para funcionar.

Apesar de alguns pontos baixos e de retratar uma história já conhecida mas contando detalhes aparentemente desnecessários, como o mistério dos pais dele (não sei como será abordado em uma continuação, mas certamente tirou o foco da relação do Tio Ben com Peter, que ao meu ver é mais importante na construção de Peter como herói), o filme é bom, com batalhas bem feitas e trama, por mais óbvia que seja, interessante. Acho que vale a pena conferir pois entrete e talvez agrade bem mais os fãs dos quadrinhos do que a antiga trilogia, mas espetacular, mesmo, apenas no título.

Postagens relacionadas

5 comentários

  1. porco aranha>>> homem aranha

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito do texto e, como sempre, tu teve uma ótima análise. Mas eu vou analisar a parte romântica do filme tão somente porque acabei de ver Titanic e não consigo pensar em qualquer outra coisa. Bom, o romance em Homem Aranha deve exercer um papel secundário, pois o centro do filme é a aventura, porém quem é que não gosta de ver AQUELE BEIJO quando se menos espera no cinema? Pois é... neste novo filme não teve o inesperado quando se trata de romance, todo mundo sabia que a função dela era ser "o par romântico do homem-aranha", então essa série de coincidências tornou o romance muito clichê e, portanto, pouco surpreendente. Como dizem, "vida imita a arte", e nós bem sabemos que quanto mais forçamos nossa relação para seguir um roteiro... mais ela fica forçada a ponto de merecer um framboesa de ouro!

    ResponderExcluir
  3. Desculpa Vic, mas é agora que eu vou discordar de ti, em uma das primeiras vezes na história. Eu simpesmente A-DO-REI esse filme do Homem Aranha. Pra mim, ele trouxe bem mais que os últimos. Mais expressão por parte dos atores (sou suspeita pra falar da Emma, mas ela foi o máximo), mais emoção nas cenas de ação, simplesmente trouxe mais. E eu consegui torcer MUITO pelo casal, talvez pela química que já exista entre Andrew e Emma, que são um casal na vida real. Mas acontece que eu mudei de shipper por causa desse filme. Sou Peter/Gwen mais do que nunca, haha. E nunca li as HQs, com o perdão de todos nerds do mundo. E o final do casal, pra mim, é mais importante que qualquer outra coisa. Talvez porque eu seja uma romântica incurável e tenha visto um super futuro pra eles na última frase do Peter, quando ele chega atrasado na aula. Mas talvez porque o romance no filme tenha sido realmente bom. Acho que o Espetacular Homem Aranha foi realmente espetacular. Tchau Tobey, tchau Kirsten. Sejam bem-vindos, Emma e Andrew.

    ResponderExcluir
  4. Discordo Totalmente de você onee-chan, esse filme de espetacular teve tudo INCLUSIVE o titulo. Serio, foi muito mais emocionante, o casal era muito melhor, as cenas de ação eram muito mais intensas, a historia muito mais fiel aos quadrinhos e a grande diferença foi principalmente o proprio homem-aranha, que mudou de um bundão chorao para um sarcastico brincalhão, coisa que combina muito mais com a historia.

    ResponderExcluir
  5. e detalhe, a gwen ficou muito melhor que a mary jane, visto que a outra era tão sem sal quanto aquela mina do crepusculo. .-.

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun