O protesto de Roger Waters em Porto Alegre


terça-feira, 6 de novembro de 2018

Há quem diga que não se pode falar de política em um show de rock para não misturar "arte com política". Ocorre que o homem é um animal político. As coisas que você pensa, as coisas que você fala e os ídolos que você segue são, em grande parte, impregnadas de política. Sendo assim, não tem cabimento esperar que um dos fundadores de uma das bandas mais influentes da história, Pink Floyd, cuja discografia inclui álbuns contestadores como "Animals" e "The Wall", observasse passivamente a onda de neofascismo que surge em várias partes do mundo. E, mesmo sem referências ao neofascismo no Brasil - talvez por censura, talvez por desilusão -, o show de Roger Waters em Porto Alegre pode sim, ser classificado como um verdadeiro protesto.

Show Roger Waters Porto Alegre


O último da turnê Us + Them no Brasil, que ocorreu no estádio Beira-Rio em Porto Alegre, começou com uma pontualidade britânica, ao som de Breathe. O grande telão colocado atrás do palco, que até então apresentava uma imagem tranquila de uma mulher sentada em uma praia deserta, passou a apresentar imagens psicodélicas. A banda tocou "One of These Days" e apesar em "Time" Roger Waters apareceu nos vocais, música que foi precedida de The Great Gig in the Sky, onde a dupla Lucius (Jess Wolfe e Holly Laessig) fizeram um dos mais famosos solos vocais da história da música.

Show Roger Waters Porto Alegre


O show ganhou um tom verdadeiramente pesado com a música “Welcome to the Machine”, quando as estrelas do telão foram substituídas pelo clipe da música, que apesar de ser uma crítica dirigida à indústria musical, nos choca em vários aspectos ao mostrar um rio de sangue se transformando em uma multidão, nos fazendo questionar sobre a própria máquina que estamos inseridos. As músicas da carreira solo de Waters, tocadas na sequência, também mantiveram o tom crítico, com “Déjà Vu", "“The Last Refugee" e "Picture That", com críticas à interferência dos EUA no oriente médio e a líderes mundiais como Kim Jong-um, Silvio Berlusconi e George W. Bush, na última canção.

Show Roger Waters Porto Alegre


O tom de protesto teve uma pequena trégua com o sucesso Wish You Were Here, mas logo um dos discos mais impactantes estava por vir: The Wall, com The Happiest Days of Our Lives, Another Brick in the Wall Part 2 e Part 3. Foi um momento muito bonito, em que as crianças do projeto Ouviravida, do Bairro Bom Jesus, fizeram o coro de Another Brick in the Wall Part 2, em um primeiro momento com macacões laranjas que lembram os presidiários americanos, e logo em seguida, jogando fora esse macacão e mostrando a mensagem da camiseta: Resist.

Show Roger Waters Porto Alegre


Quando Resist apareceu no palco, houve uma certa tensão política, com muitas pessoas entoando o coro de "#Elenão", apesar de algumas vaias e um silêncio desconfortável daqueles que elegeram o novo presidente. Diferentemente dos shows anteriores, não houve nenhuma mensagem direta ao Brasil por parte de Roger Waters, #Elenão não foi exibido no palco e nem mesmo o nome de Bolsonaro apareceu ao lado de Trump, Le Pen e Putin como líderes neofascistas. Mas a mensagem de resistência estava lá. Waters não "se intrometeu na política brasileira", o que incomodou tantos "fãs" durante as eleições, mas manteve o protesto que realizou em todos os shows da turnê Us + Them e os ideais que impregnaram toda a sua carreira, pedindo para resistirmos ao fascismo, antisemitismo, aos crimes de guerra e à ideia de que alguns animais são mais iguais que o outros.

Show Roger Waters Porto Alegre


Com essa referência à A Revolução dos Bichos, Waters deu início ao álbum criado por influência do livro, com a diferença que a crítica de Waters não se volta ao comunismo, mas ao capitalismo. No início da música "Dogs", o telão mais uma vez impressionou o público com a inesquecível cena da Usina do disco "Animals" surgindo, com um porco perto das chaminés. Enquanto a música tocava, houve algumas manifestações políticas de Waters e sua banda em alusão ao poder que os porcos, representando os líderes mundiais, teriam sob os demais, e a música "Pigs" teve todo seu videoclipe direcionado a um ataque ao presidente americano Donald Trump, até que finalmente o grande porco voador surgiu no estádio. A mensagem não poderia ser mais necessária: seja humano.

Show Roger Waters Porto Alegre


De volta ao Dark Side of the Moon, Waters tocou a icônica "Money", o título da turnê "Us and Them", "Brain Damage" e, o que foi o momento mais bonito do show, Eclipse, momento em que o famoso prisma da capa do álbum foi reproduzido no meio do estádio. Particularmente, Eclipse é uma das minhas músicas preferidas do Pink Floyd, e ouvi-la daquele jeito foi muito especial. Somado aos efeitos especiais, a natureza dava um show à parte, com muitos trovões durante as músicas.

Show Roger Waters Porto Alegre


Infelizmente, por conta da tempestade que estava por vir, Roger Waters terminou o show mais cedo. Talvez Roger Waters tivesse tocado mais uma música se não fosse o resultado das eleições - o ídolo parecia bem mais distante do que demonstrou nos outros shows -, mas ouvir Confortably Numb compensa. No final, em sua terceira apresentação em Porto Alegre, Roger Waters fez um show único, transmitindo a mesma mensagem de resistência que vem sendo passada por três gerações, desde a criação de Pink Floyd.

Postagens Relacionadas

Conhecendo a nova Orla do Guaíba, em Porto Alegre


sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Que saudades estava daqui! A vida anda muito corrida e estou com pouco tempo livre para blogar e passear por aí. Para vocês terem ideia, apenas no início de outubro eu finalmente fui conhecer a nova Orla do Guaíba, em Porto Alegre. A Orla do Guaíba, especificamente o trecho próximo à Usina do Gasômetro, sempre foi um dos principais pontos turísticos de Porto Alegre, mas devo confessar que eu sempre achei o lugar estava meio "caidinho". Nunca me animei a passear por lá, sabe? Mas desde o início do semestre a Orla do Guaíba está revitalizada, linda, cheia de gente e opções de lazer.

Orla do Guaíba Porto Alegre


Para quem não sabe, Porto Alegre é banhada pelo Lago Guaíba e, por conta disso, a capital gaúcha realmente ostenta o título de "pôr-do-sol mais bonito do mundo". A Nova Orla do Guaíba compreende um trecho de 1,3 km que vai desde a Usina do Gasômetro até a Rótula das Cuias, com ciclovias, passeio público, decks e várias alternativas de lazer. Em basicamente toda a Orla há vários bancos e arquibancadas para facilitar a observação do por do sol, que muito provavelmente é o mais belo de Porto Alegre.

Orla do Guaíba Porto Alegre Orla do Guaíba Porto Alegre Orla do Guaíba Porto Alegre

A Orla do Guaíba tem alguns bares e restaurantes pela volta, mas por enquanto, o que faz sucesso são os food trucks (também é moda na cidade de vocês?), que reúnem bastante gente ao redor e com sorte dá para assistir a alguma banda se apresentado por ali. Tinha muita gente sentada, passeando, praticando esportes, enfim, aproveitando um final de tarde. São várias as opções de lazer na volta, como passeio de barco e a visita à própria Usina do Gasômetro, que é um centro cultural que constantemente tem exposições e atividades. Quando visitei a Orla estava com a família do meu namorado, então passeamos pelo entorno, fizemos um lanche, fomos até o mirante e depois, ainda andei de bicicleta. Fazia tantos anos que eu não andava de bicicleta, mas próximo ao Gasômetro ficam as bicicletas do Itaú para alugar (R$ 8,00 a diária) e aproveitamos. Foi muito divertido e uma maneira muito bonita de aproveitar o final de tarde.

Orla do Guaíba Porto Alegre Orla do Guaíba Porto Alegre Orla do Guaíba Porto Alegre

Visitar a Orla do Guaíba é uma ótima opção para quem vai viajar para Porto Alegre e quer conhecer o melhor pôr-do-sol da cidade, sendo um ponto turístico imperdível. No entanto, minha dica não se direciona apenas aos viajantes, e sim a nós, moradores: temos lugares tão lindos em Porto Alegre, espaços públicos de grande importância esperando para serem ocupados. Eu sempre sou a primeira a criticar a cidade pelas 'poucas atrações' que ela oferece, mas a verdade é que aproveitamos muito pouco do que a cidade tem a oferecer. Fiz um passeio incrível, andei de bicicleta pela orla do Guaíba, passeei em um lugar bonito com uma atmosfera legal, uma atmosfera viva. Sugiro a todo mundo fazer isso também!

Postagens Relacionadas

Direito: Um ano de formada


quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Para muitas pessoas, hoje eu tive um dia normal: cheguei no escritório cedo, respondi e-mails de clientes, participei da reunião de equipe, trabalhei bastante em uma contestação e outras peças processuais e, de noite, fui para minha aula da pós-graduação em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho. Não aconteceu nenhuma novidade e foi um dia até mesmo cansativo, rotineiro - e, no meio dessa rotina, às vezes a gente acaba esquecendo da importância das coisas. Hoje, por exemplo, faz um ano que me formei em Direito, um ano que estou realizando o sonho da minha vida.

Formatura Direito


Diferente de muitas pessoas, eu sempre quis fazer Direito. Sabe quando a gente é criança e tem que responder "o que quer ser quando crescer"? Então, eu queria ser advogada. E aos dez anos eu queria ser juíza. E na faculdade quis ser promotora. E, mesmo tendo dúvidas sobre a carreira, o Direito sempre foi minha única opção e sempre me senti inspirada estudando as leis, o Estado, os ideais de Justiça e Igualdade e toda a filosofia por trás. A jornada pela qual passei na faculdade é cheia de livros, estudo, amizades e truco, mas é na noite de formatura que me dei conta que aquele sonho de criança finalmente se realizou.

Formatura Direito
A primeira coisa que me vem na mente quando lembro daquela noite tão especial que foi minha formatura, é que praticamente todo mundo estava presente. Meus pais estavam orgulhosos da filha advogada, meus familiares felizes pela minha conquista, meu namorado e meus amigos comemorando comigo, minha vó de 92 anos vindo de van com meus parentes do interior para me ver... Consegui reunir muitas pessoas diferentes em uma única comemoração, e todas elas estavam lá por minha causa, para festejar comigo depois de tanto me apoiarem até aquele dia chegar.

Formatura Direito


É difícil descrever a emoção de ter o tão sonhado diploma nas mãos e, da mesma forma, é difícil refletir sobre seu significado. O próprio Direito é um curso muito apaixonante e inspirador, e às vezes podemos pensar que a realidade não corresponde a nossas expectativas ou mesmo que nós não estamos à altura dos ideias que esse curso carrega. Mas eu sinceramente fico feliz em tentar, em estudar mais, me aperfeiçoar mais e perseguir esse sonho que já não mais se limita a "se formar", mas sim buscar fazer alguma diferença no mundo.

Formatura Direito


O dia de hoje, com suas petições, prazos e, claro, novos sonhos, só foi possível porque tenho um pai e uma mãe que me amam muito, uma família que sempre acreditou no meu potencial e uma rede de amigos que sempre me apoiou. Nesses dias normais, rotineiros, eu fico genuinamente feliz de lembrar dos motivos que movem minha vida, de todas as experiências que eu tive até chegar aqui e de todas as vivências que eu terei ao percorrer novos caminhos. Tem dias que marcam nossas vidas, e minha formatura foi um dos momentos mais especiais da minha vida, mas tenho certeza que, graças ao fato de eu estar formada, fazendo todo dia que eu gosto, outros dias marcantes virão. Feliz um ano de formada pra mim!

Postagens Relacionadas

Roteiro por Murano, Burano e Torcello, as ilhas ao redor de Veneza


sábado, 8 de setembro de 2018

Veneza é uma cidade apaixonante que, apesar dos pontos turísticos icônicos, dispensa roteiro: o ideal é se perder pelas ruelas apertadas, se encantando com os canais e conhecendo novos lugares a cada esquina. Para conhecer a cidade, é necessário apenas um dia, mas quem tem um pouco mais de tempo pode fazer um passeio igualmente interessante: conhecer as ilhas Murano, Burano e Torcello, que ficam ao redor de Veneza.

Roteiro Murano Burano Torcello


Como visitar as ilhas Murano, Burano e Torcello

Murano, Burano e Torcello são um conjunto de ilhas que ficam a cerca de uma hora de Veneza, cada qual com sua peculiaridade: Murano é famosa pelos vidros, Burano por suas cores e Torcello...Bom, Torcello não é conhecida nem um pouco conhecida hehe, mas é perto e vale à pena visitar.

como chegar Murano


Para visitar as ilhas, é possível contratar o passeio com alguma agência que faça esse circuito, mas a minha dica é utilizar o vaporetto, meio de transporte de Veneza. Seria necessário quatro bilhetes para visitar as ilhas, mas como cada um custa 7,50 euros, vale mais à pena comprar o bilhete único de 24 horas que custa 20 euros. Conseguimos nossos passes de cortesia com o próprio serviço de transporte de Veneza, Venezia Única, e é graças a eles que foi possível conhecer esses lugares lindos e compartilhar com vocês!

A primeira parada é por Murano, que fica cerca de trinta minutos de Veneza. Pegamos nosso vaporetto próximo da estação Ferrovia, mas é possível pegar da Piazzalle Roma, San Marco e outros pontos: as linhas que levam até Murano são 42, 3, 41 ou 7. De Murano para Burano, pega-se o vaporetto 12 na estação Faro (o trajeto dura cerca de meia hora) e, para Torcello, a linha T nos leva em 10 minutos. Pode parecer complicado, mas não é: essas ilhas tem no máximo duas estações de trem e são bem pequenas, basta só estudar um pouco o mapa dos vaporettos que é super tranquilo ir sem agência ou guia!

Murano



Roteiro Murano Burano Torcello


Murano é uma ilha com pouco mais de 5.600 habitantes e muitos anos de história, provavelmente fundada pelos romanos no século V. Assim como Veneza e as ilhas ao redor, ela também foi construída entre canais, mas a peculiaridade de Murano é que, em 1291, ela era a única cidade onde era permitido o trabalho com vidro nos arredores de Veneza. Desde então, a cidade ficou famosa pela produção de obras feitas em vidro e tem sua fama até hoje.

Roteiro Murano Burano Torcello Roteiro Murano Burano Torcello

O que mais chama atenção em Murano, obviamente, são as obras de vidro. Murano possuí várias lojas de vidro e inclusive fábricas muito interessantes de se visitar. Há lojas certificadas pelo governo (que são caríssimas hehe) e lojas de produtos que vieram da China (pois é!), mas também há lojas intermediárias, de pequenos artesões, nos quais é possível ver o pessoal trabalhando nas produções das peças. Vale à pena conhecer Murano para comprar objetos de vidro e aproveitar para conhecer outros pontos turísticos, como a Igreja de Santa Maria e São Donato, Igreja de São Pedro Mártir e Palácio da Mula e Museu do Cristal. Ficamos por volta de uma hora na cidade visitando só lojas e as igrejas.

Roteiro Murano Burano Torcello Roteiro Murano Burano Torcello


Burano



Roteiro Murano Burano Torcello


Burano, apelidada carinhosamente por mim de Caminito venezuelano, foi sem dúvida a ilha que eu mais gostei! Motivo? As casas são lindas e super coloridas! Cada uma tem uma cor diferente - baseada num sistema de cores aprovado pelo governo - e ela tem essa tradição porque é uma cidade que muito dependia da pesca e os pescadores precisavam de algo para diferenciar suas casas na neblina. O resultado é uma ilha super aconchegante, alto astral e bonita, que realmente encanta os turistas!

Roteiro Murano Burano Torcello


Além do colorido das casas, Burano também é conhecida por suas belas e elaboradas rendas e seus pontos turísticos principais são o Museu da Renda e a Igreja de San Martino que, vejam só, tem uma torre inclinada! Coisas da Itália. Ah! Fica a dica do restaurante Al Raspo de Ua, não é nada excepcional, mas almoçamos um bom spaguetti al ragu com suco de laranja por apenas nove euros, em um ambiente bem aconchegante.

Roteiro Murano Burano TorcelloRoteiro Murano Burano Torcello

Torcello





Por fim, fomos à Torcello, uma ilha minúscula (mas minúscula meeeesmo) fundada em 452 e que um dia foi um importante centro comercial, mas hoje conta com dezesseis habitantes (sério, tá na Wikipedia italiana hueihei) e devo ter encontrado cerca de três turistas por lá. Muitos descrevem Torcello como uma ilha calma e bucólica e é isso mesmo, Torcello parece uma cidade abandonada que parou no tempo. As poucas coisas que tem lá (uma Igreja, um sobrado...) têm um aspecto antigo e medieval, digno de seriado mesmo.

Roteiro Murano Burano TorcelloRoteiro Murano Burano TorcelloRoteiro Murano Burano TorcelloRoteiro Murano Burano Torcello Roteiro Murano Burano Torcello


Os pontos turísticos por lá são o trono de Atilla, o museu de Torcello, a igreja de Santa Fosca (século XIV), a catedral de Santa Maria Assunta (século VII) e a Ponte del Diablo, que tem esse nome por causa da ausência de corrimão e facilidade de cair. Fora deste trajeto, há muita natureza e imagino que uma ou duas fazendas.

Roteiro Murano Burano Torcello

Conhecer as ilhas ao redor de Veneza é uma ótima dica para quem tem mais de um dia na cidade e quer conhecer lugares diferentes, sobretudo porque cada ilha tem sua peculiaridade e é especial a sua maneira. Considerando os deslocamentos, esse passeio pode ser feito em seis horas, mas é recomendado reservar um dia inteiro para aproveitar bem e entrar nos pontos turísticos indicados. Espero que tenham gostado da dica!

Postagens Relacionadas

Crítica: Missão Impossível - Efeito Fallout


sábado, 1 de setembro de 2018

Dentre tantos filmes de ação que vão e voltam com o tempo, uma das mais bem sucedidas franquias da atualidade é Missão Impossível, estrelada pelo ator Tom Cruise. Com cenas repletas de adrenalina e missões que sempre desafiam a barreira do possível, a franquia chega em seu sexto filme, Efeito Fallout, demonstrando que a série, ao contrário de se mostrar cansativa, está no seu auge.

Crítica Missão Impossível Efeito Fallout


Dando continuidade aos acontecimentos de Nação Secreta, mas sem exigir do telespectador conhecimento sobre o filme anterior, Efeito Fallout, também dirigido por Christopher McQuarrie, coloca Ethan Hunt (Tom Cruise) em uma nova missão impossível: destruir uma organização terrorista criada por membros remanescentes do Sindicato (grupo anarquista do filme anterior) e impedir uma ameaça nuclear. Para tanto, Hunt acaba reavaliando antigos erros do passado e refletindo acerca de seus princípios e motivação, afinal, muitos dos perigos enfrentados por Hunt são justamente em razão de acabar sempre salvando aqueles que ama.



É fácil elogiar Missão Impossível: as cenas são muito bem feitas, Tom Cruise é um ator muito carismático e a trilha sonora é primorosa, ainda que a música clássica de Missão Impossível esteja presente de uma forma discreta e elegante ao fundo das cenas. Já o roteiro é padrão dos demais filmes de ação e não traz nenhuma novidade, mas ganha pontos por se alinhar com os filmes anteriores, como acontecimentos diretamente ligados ao novo filme. O elenco tem poucos rostos novos (com destaque para a loira Vanessa Kirby), mas traz antigos personagens e é gratificante ver Tom Cruise contracenar novamente com Rebecca Ferguson que, na pele da agente dupla Ilsa Faust, novamente nos encanta pela sua ambiguidade e boa química com o ator. Já o personagem de Henry Cavill não me agrada, mas teve boas cenas ao lado do protagonista. A verdade é que todos estavam bem em seus papéis.

Crítica Missão Impossível Efeito Fallout


É comum os filmes da franquia se passarem em cidades como Viena, Dubai e Praga e, desta vez, Efeito Fallout tem excelentes cenas em Paris e Londres. O interessante é que os lugares escolhidos não estão ali como mero plano de fundo, mas há uma grande interação entre o cenário e o protagonista, o que se vê na alucinante perseguição envolvendo carros e motos pelas ruas de Paris - desta vez, cheia de pedestres e veículos -, ou mesmo a cena em que Ethan Hunt se arrisca por cima dos prédios em Londres. Tal cena, aliás, é mais um demonstrativo de como Tom Cruise se arrisca dispensando dublês no filme, o que certamente é um dos aspectos mais elogiáveis do ator, que se dedica inteiramente para dar a maior fidedignidade possível à franquia. Mesmo com os exageros e o grande uso de computação gráfica - que, frisa-se, não é evidente -, é interessante o esforço de fazer com que todas as explosões, perseguições, cenas impossíveis de acontecer pareçam críveis aos olhos do espectador, tornando as chamadas Missões Impossíveis ainda mais atrativas. O destaque, obviamente, é para os acontecimentos finais, que envolvem uma perigosa perseguição de helicóptero e muita ação.

Crítica Missão Impossível Efeito Fallout


Missão Impossível - Efeito Fallout pode ser considerado o filme mais completo da franquia. Efeito Fallout consegue reunir todos os elementos consagrados nos filmes anteriores, arremata pontas soltas e sua trama interage com o passado da protagonista, trazendo antigos personagens e fazendo uso de antigas técnicas utilizadas por Ethan Hunt e sua equipe. É um filme que me deixou ansiosa para ir ao cinema e que cumpre as expectativas. Se é impossível uma franquia se manter por tanto tempo e melhorar cada vez mais ao longo dos seis filmes, Efeito Fallout cumpre essa missão.

Postagens Relacionadas

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun