Os melhores episódios de Black Mirror


terça-feira, 26 de dezembro de 2017



Com histórias interessantíssimas, um estilo que lembra Twilight Zone e ambientes repletos de tecnologia, a série Black Mirror retrata o pior que existe em nossa sociedade: e esse pior é representado justamente pela tela negra de um smartphone. Black Mirror é uma série que aborda a relação do ser humano com a tecnologia e até que ponto aparatos tecnológicos podem influenciar as relações humanas e o nosso modo de ver o mundo. Como a nova temporada estreia dia 29 de dezembro de 2017, aproveitei para indicar três episódios que, até agora, na minha opinião, são os melhores.

S03E01 - Nosedive





Nosedive retrata uma sociedade muito parecida com a nossa: baseada em likes e aparências. Através de um aplicativo, as pessoas dão notas para as outras e são avaliadas de acordo com seu comportamento e aparência, de modo que a vida delas vive basicamente em torno do aplicativo. As pessoas tentam agradar quem tem uma nota maior, ignoram os que têm nota baixa e procuram registrar o momento ao invés de vivê-lo. São falsas, fingem ter uma felicidade que não é verdadeira e mesmo não gostando do gosto de um café, por exemplo, fotografam para postar uma foto bonita no aplicativo - o que eu achei muito simbólico e, convenhamos, é algo que muitas pessoas fazem nos dias atuais. O mais assustador é que alguns lugares só permitem pessoas acima de determinada nota, ou seja, o aplicativo determina status social, poder de compra, emprego e muito mais.

Nesse contexto, Lacie Pound (Bryce Dallas Howard), uma moça 4.2 que precisa urgentemente ter sua nota aumentada para 4.5 para comprar um apartamento, é convidada para ser madrinha de um casamento de uma antiga amiga de infância, que tem uma nota muito maior e, por isso, várias pessoas ilustres e de boas notas na lista de convidados. Sabendo que comparecer ao casamento vai aumentar seu status social, Lacie prontamente vê no evento uma possibilidade de ascensão, mas quando seu voo é cancelado e alguns infortúnios acontecem, Lacie passa a refletir sobre seu estilo de vida e como é ruim viver de aparências, sem poder agir ou falar como realmente se deseja.

S02E01 - Be Right Back





Esse é um episódio bastante futurista e que nos remete a filmes como Her ou qualquer um relacionado à inteligência artificial, mas de uma maneira não muito distante da realidade. Em Be Right Back, acompanhamos a história de Martha (Hayley Atwell) e Ash (Domhnall Gleeson), um casal de jovens que viviam felizes na área rural, até que Ash, viciado em tecnologia, morre em um acidente de carro. Com a morte de seu marido, Martha fica triste e desolada, até que uma amiga sugere uma maneira de falar com os mortos. Não é espiritismo nem nada religioso ou místico: trata-se de um software que analisa todas as postagens de alguém nas redes sociais, as mensagens e e-mail trocados e, assim, simula de forma perfeitamente crível a personalidade dessa pessoa.

O que inicia-se como apenas uma tentativa superficial de matar as saudades, acaba tomando grandes proporções à medida que o software fica cada vez mais aprimorado e simula de modo ainda mais realista a personalidade do falecido marido, nos levando a refletir sobre a morte, os limites da tecnologia, a barreira entre o virtual e o real. Apesar da temática bem futurista, é um episódio bastante humano, e talvez por isso seja tão assustador.

S01E03 - The Entire History of You





The Entire History of You é meu episódio preferido da série. Ele pode não ser tão impactante como os outros nem ser tão distópico, mas tem seu mérito por se focar nas relações pessoais. O episódio poderia se passar nos dias atuais se não fosse por uma diferença: todo mundo possui um "grain", um chip implantado atrás da orelha que permite gravar todas as memórias e revê-las quando quiser. As pessoas usam a tecnologia para compartilhar histórias do passado, avaliar como a outra pessoa se portou em uma conversa e claro, "jogar na cara" determinados acontecimentos - quem nunca discutiu com uma pessoa enquanto ela nega que prometeu algo?

Para apresentar os "efeitos colaterais" dessa tecnologia da memória, o episódio retrata um jovem advogado chamado Liam Foxwell (Toby Kebbel), que em um jantar comum entre amigos fica incomodado por ver sua esposa Ffion (Jodie Whittaker) conversando com outro homem. O que poderia ser um simples caso de ciúmes ganha grandes proporções graças à tecnologia, pois Liam pode seguir sua intuição e rever as conversas do jantar e insistir em ver as memórias de sua esposa. Por esse motivo, o episódio aborda de um jeito bem interessante a nostalgia, a confiança e claro, as memórias: seria tão boa assim a possibilidade de "rever suas memórias", ou a ideia tornaria a convivência insuportável?


E vocês, quais são seus episódios preferidos de Black Mirror? Gostaria de destacar, também, San Junipero, White Christmas e Shut Up and Dance. Na verdade, a maioria dos episódios são excelentes e recomendo toda a série, porque sempre há reflexão interessante acerca do uso da tecnologia.

Postagens Relacionadas

4 comentários

  1. Nunca assisti Black Mirror, mas fico bastante interessada pela série toda vez que leio uma crítica, resenha, comentário ou lista, parece ser uma série bem envolvente e reflexiva, exatamente o tipo que eu gosto haha
    Quem sabe esse ano eu consiga ver! Mas o que me assusta é o número de temporadas, muita coisa haha

    Beijão
    https://atocadalebre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu amo o primeiro episódio da terceira temporada, tem um crítica social, incrível! Também gosto muito "White Bear", "Shut up and dance" e o melhor, "San Junipero" <3

    http://www.oigorismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Amo demais o Nosedive, White Bear e Playtest. Adoro os plot twist que acontecem nos episódiso HAUHAUHAUHAU

    pra mim, a temporada mais fraca foi essa nova, gostei de poucos episódios...

    www.viletoria.com.br

    ResponderExcluir
  4. Amei a quarta temporada, a essência de Black Mirror ainda esteja ali, não espere por reviravoltas que dão um soco na cara do espectador, como White Bear e White Christmas. Hang the DJ foi o melhor da temporada, adorei ver no episódio a Georgina Campbell, é uma atriz preciosa que geralmente triunfa nos seus filmes. Recém a vi em Rei Arthur a Lenda da Espada, é um dos melhores filmes medievais, inclusive a passarão em TV, sendo sincera eu acho que a sua atuação é extraordinário, em minha opinião é a atriz mais completa da sua geração, mas infelizmente não é reconhecida como se deve.

    ResponderExcluir

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun