Filmes do mês: Fevereiro 2019


terça-feira, 19 de março de 2019

Chegamos na nossa segunda edição dos Filmes do mês! Fevereiro é um mês importante para os cinéfilos por causa da maior premiação do cinema, o Oscar, mas dessa vez eu havia visto poucos filmes e não fiz questão de maratonar o resto. Os únicos da lista - que aliás, é bem mais curta que a do mês de janeiro, são só oito filmes! - que concorreram ao Oscar são Infiltrado na Klan (devia ter ganho, por sinal) e O Primeiro Homem.



Quando os anjos dormem


Quando os anjos dormem é um filme de suspense espanhol que se baseia em um acontecimento simples, mas com consequências drásticas. Germán (Julián Villagrán) é um homem bom, trabalhador e que infelizmente não tem tempo para a família porque se dedica inteiramente ao trabalho. Silvia (Ester Expósito) é uma adolescente problemática, irresponsável e que sai com as pessoas erradas, envolvendo-se em drogas e sexo. Durante a noite, quando o sonolento Germán está viajando para ver a filha em seu aniversário, acaba atropelando alguém, tendo que lidar com a situação e com uma histérica Silvia.

A temática de Quando os anjos dormem é interessante e foi explorada com competência no filme, que conta com direção de Gonzalo Bendala e uma boa atuação de Julián Villagrán - o mesmo não se pode dizer da adolescente Silvia. As circunstâncias que acometem as personagens são angustiantes, e vemos o protagonista ser tomado pelos nervos, caindo cada vez mais em desgraça.

Infiltrado na Klan


Baseado no livro honômino, Infiltrado na Klan conta a história real do policial Ron Stallworth, primeiro detetive negro da Polícia de Colorado Springs que, logo no início da carreira, decide se colocar em uma arriscada missão: se infiltrar na Ku Klux Klan. Conversando por telefone com outros membros da KKK e encaminhando um outro policial, Fulano de Tal () para participar das reuniões presenciais, Ron Stallworth vai ganhando cada vez mais influência e acaba por se tornar líder local, ao mesmo tempo em que trabalha para sabotar uma série de atentados planejados pelos racistas.

Infiltrado na Klan é um filmaço. Consegue contar uma história real, tensa, ora acrescentando um pouco de humor, ora nos deixando angustiados pelo discurso racista. Tecnicamente, é um filme com ótimas atuações, uma direção incrível do Spike Lee e um roteiro digno de Oscar. Ainda, mais que simplesmente "um filme bom", Infiltrado na Klan é um filme político, que retrata um problema que infelizmente ainda é muito atual, com um final que é um verdadeiro soco no estômago.

Fireworks - Luzes no Céu


Fireworks é uma animação japonesa baseada no filme homônimo de 1993, em que dois garotos, Norimichi Shimada e Yuusuke Azumi estão apaixonados por uma mesma garota, Nazuna Oikawa, que está triste porque sua mãe se casará de novo e terá que mudar de cidade. Nazuna acaba desafiando os dois garotos em uma competição de natação na qual o perdedor terá que fazer o que ela quiser, bem no dia do festival da escola, quando os amigos planejam ir a um farol ver os fogos de artifício. Ocorre que, no mesmo dia, Norimichi encontrou um estranho objeto que aparentemente o faz viajar no tempo, e acaba utilizando isso para alterar os eventos e fazer a coisa certa por Nazuna.

Sinceramente, fiquei decepcionada com o filme porque Fireworks tinha TUDO PARA SER BOM. Adoro histórias românticas, viagens no tempo e universos paralelos e, somado a isso, a animação do filme é muito boa e Fireworks é visualmente incrível. O que aconteceu, afinal? As personagens são rasas e o ritmo do filme bastante ruim, simplesmente não dá para criar envolvimento nenhum.

Fim dos Tempos


Em Fim dos Tempos, acompanhamos o professor Elliot (Mark Wahlberg) e sua esposa Alana (Zooey Deschanel) em um verdadeiro pesadelo: inexplicavelmente, uma série de suicídios violentos se espalhou pelo sudoeste dos Estados Unidos. O casal, acompanhado da pequena Jess (Ashlyn Sanchez), tenta fugir do perigo a caminho da Pensilvânia, mas descobrem que a toxina mortífera está cada vez mais presente.

Parece o famigerado Bird Box? Pois é, mas Fim dos Tempos estrelou em 2008 e, apesar da proposta semelhante, pelo menos propõe uma explicação - ainda que meio furada - para os acontecimentos. Fora isso, Fim dos Tempos segue a mesma vibe, tem boas cenas de morte,uma atuação boa de Mark Wahlberg e, infelizmente, uma péssima atuação da Zooey Deschanel, que aparentemente estava com nenhuma vontade de participar do filme.

O primeiro homem


O primeiro homem é um filme biográfico que conta a trajetória do astronauta Neil Armstrong, primeiro homem a pisar na lua. No filme, acompanhamos não apenas partes da vida pessoal do astronauta, como também todos os bastidores da corrida espacial, os sacrifícios feitos, os testes que deram errado e a enorme tensão que envolveu os astronautas, culminando na emocionante cena do homem na lua.

Eu sou fã do Damien Chazelle, diretor de pouca idade responsável pelo excelentíssimo Whiplash - Em Busca da Perfeição e um dos meus musicais preferidos de todos os tempos, La La Land. Inclusive, acho muito interessante como o som, a musicalidade está presente em O primeiro homem e é bem utilizada no filme. Mas, tenho que admitir, O primeiro homem é muito chato e a falta de carisma do Ryan Gosling é totalmente inadequada para carregar um filme de mais de duas horas. Eu até gosto dele, acho que ele casa muito bem com personagens inexpressivos, mas nesse filme simplesmente não funcionou.

Exorcismos e demônios


Exorcismos e demônios conta a história de Nicolle (Sophie Cookson), uma jornalista cética que vai para a Romênia cobrir a história de um padre acusado de ter assassinado uma freira durante um exorcismo. Na opinião dela, é óbvio que o padre é um maluco e que sua fé exagerada foi responsável pela morte de uma mulher inocente, mas ao entrevistas as pessoas da região, descobre que talvez a jovem freira realmente estivesse possuída.

Exorcismos e demônios é um típico filme sobre exorcismos, que mostra demônios possuindo as pessoas, um personagem ateu incluindo em um meio bastante religioso, e uma atmosfera excelente, proporcionada pelo interior da Romênia. Não é um filme excelente e, na verdade, é bastante previsível, mas gosto da temática e gostei do desenvolvimento.



Letras da morte


Letras da Morte começa com um crime macabro: uma professora é morta enforcada, com uma grande letra feito à faca no peito. O crime é um convite para os policiais Will Ruiney (Karl Urban) e o Ray Archer(Al Pacino), já aposentado, solucionarem uma série de assassinatos que passarão a ser cometidos diariamente, às onze horas, no que se pode chamar de uma espécie de Jogo da Forca. Cabe aos policiais, acompanhados da jornalista Christi Davies(Britanny Snow), impedirem novas mortes e descobrirem o serial killer.

Estrelado por Al Pacino, Letras da Morte é um bom suspense policial, mas que ao meu ver peca justamente pelas motivações do serial killer, que seria o que impulsiona o filme e o mistério envolvendo os violentos enforcamentos. No mais, gostei do ritmo do filme e da proposta de os policiais terem um tempo determinado para impedir cada morte e buscar o assassino.



Excetuando Infiltrado na Klan e O Primeiro homem, todos os outros estão disponíveis na Netflix. E aí, ficou com vontade de ver algum?

Postagens Relacionadas

1 comentários

  1. Infiltrado na Klan é excelente! Uma pena não ter sido tão reconhecido das premiações do Oscar =/

    ResponderExcluir

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun