Crítica: Capitão América - Guerra Civil

quinta-feira, 5 de maio de 2016



Filmes da Marvel são reconhecidos por cenas de ação bem coreografadas e certa comédia envolvendo os heróis, o que foi um acerto no primeiro Vingadores e um erro em Era de Ultron. Dessa vez, o filme responsável por trazer novamente esse time de heróis é o final da trilogia do Capitão América, em uma continuação tão interessante e bem sucedida quanto O Soldado Invernal, mas com uma roupagem mais madura e um dilema mais complicado. Trata-se do aguardado Capitão América - Guerra Civil, que coloca os heróis contra si mesmos.



Capitão América - Guerra Civil se passa logo após A Era de Ultron, quando a imagem dos Vingadores já estava prejudicada por conta da destruição de Sokovia. Após uma missão mal sucedida contra o vilão Ossos Cruzados, que resultou em uma nova tragédia, 117 países da ONU criaram o Tratado de Sokovia, que obrigaria os heróis a obedecer à ONU e só agir quando solicitado. Enquanto Homem de Ferro, Viúva Negra e outros vingadores concordam em assinar o Tratado, outros como o Capitão América se opõem a serem controlados por uma comissão, e a situação se agrava quando O Soldado Invernal é responsabilizado por um ataque terrorista. Acreditando que Bucky não é o terrorista, o Capitão América junta uma equipe para investigar o caso, mas isso divide ainda mais os Vingadores, pois o Homem de Ferro também junta uma equipe para persuadir Capitão América e os outros a assinar o Trato e arcar com as responsabilidades de suas ações.



Inspirado pelo célebre arco dos quadrinhos, Guerra Civil é talvez o filme mais maduro da Marvel, pois os Vingadores dividem-se conforme o que acreditam e Capitão América enfrenta decide respeitar sua moral ao invés de respeitar à lei. É justamente esse o dilema que resulta do Tratado de Sokovia: os heróis devem agir conforme acham certo ou se submeter ao julgamento de uma comissão que eventualmente trará decisões polêmicas, coibirá as ações dos Vingadores? É certo deixar que um grupo super-poderoso de indivíduos decida como aplicar justiça, colocando em risco a vida de outras pessoas? Como responsabilizar os heróis? As questões pertinentes à ética e Direito Internacional trazem uma dimensão interessante ao filme, que não tem tantas piadas e até os momentos de ação (excelentes, como de costume) são mais tensos, difíceis de assistir. Não se trata dos heróis lutando contra um vilão, e sim, lutando contra si mesmos por causa de suas convicções. Não há um lado certo.



Para tanto, Chris Evans entrega mais uma atuação acertada como Capitão América e o excelente Robert Downey Jr. apresenta um Tony Stark cada vez mais triste e menos arrogante, vez que admitiu os erros do passado. Atores antigos como Scarlett Johansonn continuam ótimos e as novas adições ao elenco não deixaram o filme 'confuso' por conta da grande quantidade de heróis, e sim, o enriqueceram. Pantera Negro (Chadwick Boseman) mostra ser um personagem interessantíssimo, Homem-Formiga (Paul Rudd que já teve seu filme solo) traz o pouco de comédia do filme sem estragar o clima e Homem-Aranha, por incrível que pareça, nos faz torcer por um filme individual, pois é interpretado por um carismático Tom Holland que soube dar o tom certo ao personagem.



Capitão América - Guerra Civil distancia-se em muito dos quadrinhos, mas traz diversos elementos necessários à história, adequando-se ao Universo Cinematográfico Marvel. Em duas horas e meia, os roteiristas souberam expor o conflito com maestria e inserir esse episódio entre os demais filmes, nos deixando mais próximos dos heróis, aumentando a equipe e nos preparando para o próximo filme dos Vingadores. Apesar dos momentos grandiosos, Capitão América - Guerra Civil não é um filme tão empolgante quanto propõe e pode desagradar os fãs que ainda não sabem diferenciar cinema de quadrinhos, mas é coeso, bem desenvolvido e indispensável para quem gosta de filmes de super-heróis.

Postagens relacionadas

5 comentários

  1. Vick, eu amo tanto a sua escrita! Eu já assisti ao filme duas vezes em menos de uma semana e estava tão cheia de sentimentos que, lendo sua resenha, me toquei de que nem falei sobre o plot do filme na minha crítica hahaha
    Eu achei o filme bem maduro, com personagens extremamente bem desenvolvidos, atuações incríveis e cenas de ação idem. Mas confesso que saí do cinema meio desgostosa do final, e olha que sou team cap assumida! Achei que ficou um pouco solto, mas não ruim. Fui com expectativas altas demais e acredito que isso contribuiu para que eu saísse um tanto decepcionada, mas gostei mesmo assim.

    www.blogrefugio.com

    ResponderExcluir
  2. Vick eu ainda não fui ver, e confesso que acho que não poderei ir no cinema assistir e fico trsite pra xuxu porque é cada critica maravilhosa sobre o filme que eu fico grilada de perder. Eu gosto da forma com que vc escreve e apesar de nem sempre comentar pq na maioria do tempo to na correria saiba que ler uma critica maravilhosa e sem spoiler como a tua é uma raridade rsrsr.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Adorei a sua crítica, já vi muita gente que super curtiu o filme e outros não, eu estou meio divida, ainda não assisti, mas vontade não me falta haha
    Beijos
    www.conversandocomalua.com

    ResponderExcluir
  4. Vicki, eu estou na bad por ainda não ter visto e venho aqui e me deparo com a sua critica que só me deixa com mais expectativas(ótimas, por sinal) quanto ao filme!
    Ah, Feliz dia das mamis!
    Bjs
    www.achadosdamila.com.br

    Fanpage - Achados da Mila

    ResponderExcluir
  5. O filme é bem legal mesmo. A questão filosófico que eles enfrentam é interessante, mas o filme não é extraordinário como alguns dizem. No mais, vale a pena!

    ResponderExcluir

Comente com o Facebook:

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun