Games: Doki Doki Literature Club


quarta-feira, 21 de março de 2018

No Japão é muito comum os chamados 'dating simulator', jogos no qual o protagonista (normalmente, um estudante de ensino médio) passa a conviver e interagir com um grupo de garotas, dentre as quais uma será escolhida pelo jogador como principal interesse romântico. Normalmente, as garotas possuem personalidades extremamente estereotipadas e em praticamente todos os jogos haverá uma menina engraçadinha, outra mais tímida, uma 'tsundere' de humor instável e por aí vai. Doki Doki Literature Club sabe disso e, a princípio, parece ser apenas mais um jogo genérico, mas se diferencia dos demais à medida que faz graça do próprio gênero e surpreende o jogador ao se aproximar do estilo "horror".

Doki Doki Literature Club


Em Doki-Doki, o jogador é um estudante que deve escolher um "clube" para participar após as aulas na escola. Graças à insistência da sua amiga Sayori, o jogador acaba entrando no Clube de Literatura, onde encontra Yuri, uma menina tímida e inteligente, Natsuki, uma menina fofa de humor irritadiço (as famosas "tsundere") e Monika, presidente do clube. À exceção de Monika, todas as três são interesses românticos do jogador e ele deve fazer escolhas que levem a passar mais tempo com Sayori, Natsuki ou Yuri, normalmente escolhendo palavras para os poemas que devem ser elaborados. Doki-Doki começa a ficar estranho quando percebemos que aquelas meninas tão genéricas sentem-se atraídas por palavras como "depressão", "morte", "pesadelo", e quando começamos a ler os poemas das personagens, percebemos que alguma coisa sombria está acontecendo.

Doki Doki Literature Club


A primeira parte do jogo termina de uma maneira extremamente macabra e, a partir daí, o gênero horror entra em ação. O jogo começa a apresentar muitos glitches propositais, erros nos gráficos, textos por cima dos originais, coisas que não deveriam aparecer. Conhecemos um lado mais sombrio de cada personagem e as mesmas começam a apresentar um comportamento cada vez mais agressivo. Além da atmosfera ter mudado radicalmente, o Doki Doki fica ainda mais perturbador quando descobrimos que os próprios arquivos do jogo foram alterados, e que em determinado momento quem interage não é o personagem que interpretamos, mas nós mesmos. Há uma quebra da quarta parede e uma reflexão muito interessante sobre autonomia e livre arbítrio.

Doki Doki Literature Club


O estilo do jogo, na verdade, é uma "visual novel", que é uma espécie de "livro interativo" no qual o jogador toma decisões que afetam o desenrolar da história, sem fazer uso de mecânicas próprias de videogames, apenas apresentando imagens. O grande foco de uma visual novel é a história e a construção das personagens e, nesse sentido, Doki-Doki é realmente muito impressionante. A questão da depressão e problemas psicológicos é abordado de uma forma bem adequada, afinal, não é só porque a pessoa aparenta ser feliz que não possui nenhum problema grave. No entanto, cumpre referir que o jogo não é indicado para pessoas com problemas psicológicos ou que se impressionam com facilidade. É verdade que, apesar de tantos avisos, não achei o jogo tão perturbador assim e no quesito "horror" ele deixou a desejar. Mas é realmente bacana como o jogo usa a si mesmo e todos os clichês de um date game para criar uma atmosfera sinistra.

Doki Doki Literature Club


Doki Doki Literature Club está disponível gratuitamente na Steam e dura cerca de seis horas para terminar o jogo. Há toda uma metalinguagem interessantíssima de se descobrir e sua história é muito bem desenvolvida, sendo impressionante como o jogo começa de uma forma leve e divertida e acaba se tornando um verdadeiro horror psicológico. Não é apenas uma paródia do gênero "dating game", mas sim uma história completamente original que levanta várias reflexões. Vale à pena jogar!

Postagens Relacionadas

9 comentários

  1. Eu simplesmente amei a dica, e estando 0800 no Steam, acho que vou dar uma voltinha nesse game! Adorei essa pegada meio parodial de um formato de game (que me parece extremamente problemático, aliás) em favor de uma história muito mais profunda! Acho que tenho um programa pro final de semana por causa deste post!

    ResponderExcluir
  2. Nossa eu já ouvi falar tanto desse tipo de jogo. Estava até acompanhando uma série de videos de uma menina jogando um desses e achei engraçado kkkk São vários estereótipos dentro das narrativas, mas esse parece se diferenciar. Me interessei! Um beijo :*

    ResponderExcluir
  3. Eu já embarquei no hype do jogo, mas ainda falta o "mood" para jogar.
    Tenho certeza que vai ser bem legal.

    ResponderExcluir
  4. Primeiro eu pensei: Mas que maluquice é essa. No final do post já estava pensando que precisava jogar. hahaha

    Achei a premissa muito diferente e fiquei ainda mais surpresa com o plot twist. Acho que pode ser meu tipo de jogo, vou buscar!

    ResponderExcluir
  5. É meio difícil eu me interessar por jogos mas esse conseguiu chamar minha atenção. Gostei disso do jogo se diferenciar e se tem uma pegada mais puxada para o horror melhor ainda!

    ResponderExcluir
  6. Conhecia o game por nome, mas não sabia que tinha essa pegada mais horror. Gostei. Já sei o que irei fazer em uma parte do meu feriado dessa semana, hahaha.

    ResponderExcluir
  7. Eu estava curiosada até a ler a parte com a palavra macabra em relação ao jogo. Não curso esse tipo de temática nem o gênero de terror, mas para quem curte parece ser algo legal pra passar o tempo.

    ResponderExcluir
  8. A ideia é interessante, mas não é o tipo de jogo que me chama atenção ao ponto de querer jogar. Ainda mais que tem um século que não tenho intimidade com games hahah

    ResponderExcluir
  9. Adorei a dica! É tanto que já fui conferir. Por ser de graça, melhor ainda. Mas realmente eu curtir a proposta do jogo. Gosto muito de terror, então quero conferir.

    ResponderExcluir

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun