Crítica: Os Incríveis 2


segunda-feira, 9 de julho de 2018

Quatorze anos após o sucesso de Os Incríveis, aclamado filme da Pixar que tem como protagonistas uma família de super-heróis, os fãs - agora já adultos - receberam uma agradável continuação com Os Incríveis 2, que mantém os elementos do primeiro filme, mas evolui a trama e se constitui em um filme dinâmico, engraçado e com uma pitada de nostalgia.



A família Pêra, embora empolgada com a possibilidade de combater o crime em família, se depara com um grande problema: super-heróis são considerados ilegais e Beto ou Helena terão que aceitar um emprego normal para sustentar a família. É nesse contexto que surge uma excelente oportunidade para Mulher Elástica: trabalhar como super-heroína em missões gravadas e transmitidas na televisão, ganhando popularidade e comovendo a população a ponto de legalizar os super-heróis. Ela aceita e rapidamente se depara com um grande inimigo, enquanto Beto, o Senhor Incrível, tem que lidar com as tarefas da casa e cuidar de seus três filhos: Flash, que vai mal em matemática; Violeta, apaixonada por Toninho; e Zezé, que demonstra ser tão incrível quanto o resto da família.



Se o público alvo das animações em geral é infantil, a Pixar está ciente que os primeiros fãs cresceram e entrega um filme nostálgico e divertido na medida certa, capaz de agradar adultos e crianças. Enquanto mantém o roteiro do filme anterior, sopesando missões de super-heróis com conflitos familiares e dramas cotidianos, Os Incríveis 2 acerta ao inverter os papéis e dar grande destaque à Mulher Elástica, que ganha maior espaço e reconhecimento dos personagens como heroína feminina, "trabalhando" para sustentar a casa, enquanto o Sr. Incrível tem que cuidar dos filhos. O que talvez seja uma trama óbvia acaba arrancando muitas risadas e sendo uma crítica saudável ao conservadorismo e ao machismo, pois acabamos por perceber como infelizmente é raro mulheres ocupando espaços de poder (o que deveria ser mais incentivado) e como é importante também valorizar a tarefa daquele que tem como trabalho tomar conta da casa e dos filhos. Os Incríveis 2 é um filme divertido, fácil de se identificar e que nos faz se colocar no papel do outro, além de reforçar, é claro, a importância de bons laços familiares.



Como fã de filmes de super-herói, normalmente fico impressionada com cenas de ação e lutas bem coreografadas. Mesmo se tratando de uma animação - ou melhor, justamente por se tratar de uma animação -, é realmente impressionante as sequências que envolvem os Pêra utilizando seus poderes, em especial, a primeira missão da Mulher Elástica, que explora forma excelente sua elasticidade e o que pode ser feito com seus poderes. Outra cena que ganha destaque é a descoberta dos poderes do Zezé, personagem que sempre arranca muitos risos dos telespectadores, tanto pela sua fofura quanto pela alegria e preocupação que causa no Senhor Incrível, que descobre que mais difícil que ser um super-herói, é ser um bom pai. Por outro lado, o filme peca ao colocar vários coadjuvantes que não necessariamente tem uma personalidade desenvolvida (muitos heróis parecem ficar meio perdidos na trama) e a própria Edna Moda faz apenas uma ponta desnecessária no filme, embora seja necessário reconhecer que ela é uma ótima personagem. No mais, o filme também aborda a influência da mídia enquanto formadora de opiniões e traz uma excelente trilha sonora, o que não é muito comum em animações - pelo menos, as que não são musicais, como Moana, do mesmo estúdio -, mas ganha destaque em Os Incríveis 2, assinada por Michael Giacchino.



Com uma história leve e divertida, mas repleta de significados, Os Incríveis 2 é um filme capaz de agradar adultos e crianças, repleto de cenas engraçadas, mas trazendo de uma maneira bastante adequada questionamentos importantes acerca da nossa sociedade. Os Incríveis 2 é uma excelente continuação que respeita o conteúdo original e se sustenta enquanto filme próprio, capaz de agradar tanto ao público antigo quanto agregar novos fãs.

Postagens Relacionadas

8 comentários

  1. Quero muito assistir com os meus priminhos. Eu tenho certeza que eles vão amar e eu também! Muito obrigada pela indicação.<3 Beijoos :*

    ResponderExcluir
  2. Se eu disser que não curti tanto o primeiro filme irá soar estranho? Sabe não consegui achar graça, talvez que até re-assisti para ver se mudava de opinião. Mas estou animada com esse segundo filme e torcendo para ele ser melhor que o primeiro.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
  3. Eu amo esses desenhos da Disney Pixar que pena que o filme não foi o que você esperava. Ainda não assisti mas gostei da dica

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Esse filme é, com o perdão da piada, incrível. A capacidade de trabalhar assuntos adultos e divertir as crianças ao mesmo tempo é admirável. Saí da sala de cinema encantada. Concordo com você a respeito da Edna Moda, mas acredito que tenha sido mais para matar a saudade de nós, fãs desde 2004. E, convenhamos, as cenas foram poucas mas renderam boas risadas. Assisti com a minha mãe já há algumas semanas e espero ver de novo assim que possível

    ResponderExcluir
  5. Eu fui ao cinema ver Os Incríveis e achei super legal! Ri bastante com a história e adorei ainda mais o Zezé, ele é um metamorfo mega fofo. <3

    ResponderExcluir
  6. Não sou grande fã de super heróis "reais", e acho que isso não se estendeu para os desenhos hehe. Apesar de Os Incríveis ser bem famoso, não consegui ver nem o primeiro filme, e, embora quase tenho ido ver o segundo, não fui :p sei que qualquer hora vou assistir e me arrepender de não ter visto antes (!).

    A resenha ficou bem legal. Parece ser um animação ótima e bem divertida :)

    ResponderExcluir
  7. Estou louca pra ver esse filme, mas até hoje não tive a oportunidade de assisti-lo. Fiquei morrendo de medo de ler a resenha e ter muito spoiler, mas a verdade é que fiquei mais atiçada a assisti-lo logo

    ResponderExcluir

Newsletter

Inscreva-se na newsletter do bloguinho! ♥
* indicates required



Projetos do blog



I'll follow the Sun